A vida contemporânea tem sido, cada vez mais, uma mescla entre os meios físicos e digitais. A internet, sobretudo com o acesso via dispositivos móveis, possibilita que essas duas áreas estejam mais integradas no cotidiano da maior parte das pessoas e, com os hábitos de consumo, não é diferente.

Omnishoppers

É fato constatado por basicamente qualquer agência de marketing ou comunicação que as pessoas utilizam a internet para pesquisar produtos e comparar a qualidade e os preços das diferentes marcas disponíveis. Dessa forma, posteriormente, essas pessoas dirigem-se para um ponto de vendas físico, onde possam concretizar a compra desse produto.

Essa é, na verdade, uma via de mão dupla, tendo em vista que também há consumidores que preferem começar sua jornada pelo meio físico, visitando as lojas, onde possam ter um contato mais direto com os produtos que desejem. Depois, compram esses itens em lojas virtuais, obtendo o conforto da entrega dos produtos em casa.

Esse tipo de consumidor que se utiliza de diferentes meios e canais de comunicação para pesquisar e comprar produtos é o chamado omnishopper, que tem sido cada vez mais verificado no Brasil. De acordo com pesquisas, cerca de 8 em cada 10 consumidores brasileiros já se enquadram nessa categoria.

Hábitos de compra

Segundo pesquisa realizada pela Criteo em 2017, 64% do público consultado gosta de visitar as lojas físicas antes de efetuar a compra em e-commerce. Em contrapartida, 62% declararam já terem feito o caminho inverso, realizando pesquisas na web para, depois, comprar o item na loja física.

Outro fato curioso apontado pela pesquisa indica que 54% dos entrevistados usam o aparelho celular para efetuar uma compra via internet, mesmo quando estão dentro de uma loja física, ao invés de comprar o produto no próprio ponto de vendas.

Comunicação

Esse enfraquecimento das barreiras entre o mundo físico e o mundo digital altera não só o comportamento do consumidor, mas também a maneira por meio da qual as marcas devem pensar em comunicação. Ainda segundo o estudo, a publicidade offline e os meios de comunicação tradicionais, como a televisão, têm perdido espaço para os sites e aplicativos no processo de persuasão e influência na decisão de compra. Esses dados têm sido verificados não só no Brasil como em vários outros países do mundo.

Os dados corroboram a importância de marcar presença no meio digital e estar acessível às pessoas onde quer que estejam, até porque boa parte dos acessos vem de dispositivos móveis.