Aquela publicidade tradicional, usada por muito tempo, baseada nos banners, pop-ups e ligações frequentes; irrita qualquer consumidor e, em consequência, pode prejudicar a imagem das marcas. Vivemos numa era em que comprar mídia por si só não é certeza de sucesso. Para atrair e fidelizar clientes, tornando-os promotores da empresa, é preciso ter uma estratégia de marketing e comunicação bem definida. Sair comprando espaços, muitas vezes caros, que serão ignorados pela maioria das pessoas, é dinheiro mal gasto.

Experiências digitais

O tipo de publicidade citado anteriormente representa um verdadeiro trauma, pois gera péssimas experiências online ao consumidor. A insistência e a irrelevância levam as pessoas, cada vez mais, a recorrer a serviços de bloqueio de publicidade. Por isso, é preciso impactar as pessoas certas, na hora certa, no momento certo. É um desafio, mas, com a tecnologia adequada, fica mais fácil.

Conhecendo o consumidor

O primeiro passo para ser assertivo e não investir naquilo que não vale a pena é conhecer o público-alvo. É preciso entender quem são as pessoas que representam oportunidades reais de negócios para as empresas, onde elas estão, como se comportam no universo digital e qual é o melhor meio para impactá-las. Daí a importância das pesquisas de mercado. Apenas depois de obter essas informações é válido investir em mídia.

Tecnologia

Para obter todos esses dados e monitorar as ações desse público específico, os profissionais de marketing devem se familiarizar cada vez mais com as tecnologias existentes para ajudar a programar as publicações, de modo que estejam disponíveis para as pessoas certas, no lugar certo, na hora certa. Conhecer as plataformas que a internet disponibiliza e saber interpretar dados não pode ser um bicho de sete cabeças. É esse conhecimento que otimiza a experiência do consumidor e melhora a performance geral das marcas na web.

Personalização

Conhecendo o público-alvo e dominando as tecnologias, é possível trabalhar na criação de mensagens personalizadas. Na internet, tudo deve estar integrado – a rede social, o site, o e-mail marketing, o blog, o aplicativo – todos estes itens devem dialogar entre si e manter o cliente em potencial informado e interessado, sem que a comunicação seja invasiva. Analisando sua jornada de compra, é preciso conduzir esse consumidor à conversão, de forma rápida e prática.

Impactando as pessoas certas, evita-se correr o risco de adquirir o rótulo de “marca chata” – aquela que aparece a todo instante para quem não tem o menor interesse em seus produtos ou serviços. Antes da compra de espaços, analise seus objetivos, pense onde e quando vale a pena investir. Mantendo a transparência e o pensamento estratégico, as ações gerarão resultados melhores, investimentos mais bem aproveitados e uma imagem melhor da marca no mercado.