É comum ouvirmos dizer que, hoje em dia, as empresas que não possuem um site praticamente não existem no mercado. Essa afirmação faz bastante sentido se pensarmos que a internet se tornou um dos principais meios pelos quais as pessoas descobrem a existência e entram em contato com as empresas.

Por esse motivo, a criação de sites não é mais um diferencial e se tornou uma obrigatoriedade a quem deseja um alcance maior, atraindo as pessoas certas. Porém, é sabido que alguns sites levam resultados melhores às suas empresas do que outros. Por que será que isso ocorre? Confira 5 razões pelas quais um site perde sua eficácia:

Desorganização

Seja apenas para explorar ou já para buscar algo que tenha em mente, o usuário que acessa um site deve encontrar um ambiente organizado. Menus bagunçados, layout carregado, excesso de recursos visuais e, acima de tudo, dificuldade de encontrar aquilo que se deseja são os aspectos que mais levam as pessoas a desistirem de utilizar aquele site e partir para a concorrência.

Tudo precisa estar muito claro, de forma lógica e hierarquizada. Com uma navegação praticamente intuitiva, o usuário deve conseguir chegar aonde quer em poucos cliques. Por isso, é necessário realizar testes de navegação online e de velocidade de carregamento.

Excesso de informações

É fato que um bom site tem a obrigação de “substituir” o vendedor da loja física, munindo o usuário com todos os dados de que necessita. Além disso, textos completos e bem redigidos conferem maior relevância ao site e, consequentemente, autoridade à marca, ajudando também em SEO. No entanto, não se pode esquecer que, na web, os usuários são impacientes e não querem perder tempo. Por isso, apesar de completos, os textos devem ser claros e objetivos. Parágrafos muito longos, repetição de dados e falta de coesão entediam o leitor.

Intercale os textos com imagens, infográficos e vídeos para evitar o aspecto “cansativo” da página.

Nomes inadequados

O nome do site, assim como o da própria marca, deve ser pensado levando em consideração aspectos como: facilidade de memorização, relevância e posicionamento de mercado, lembrando que o domínio influencia também em SEO.

Falando em domínios, uma tendência interessante são as extensões relevantes às áreas de atuação das empresas, como .store (para lojas virtuais) ou .fashion (para empresas de moda), por exemplo. Isso aumenta a relevância desses sites em seus respectivos segmentos e ajuda a atrair um público de interesse.

Ausência de “call to action”

É necessário lembrar também que os sites, como qualquer canal de comunicação, fazem parte de uma estratégia de marketing, desenvolvida para atingir determinados objetivos: atrair novos clientes, leva-los à conversão e fidelizar os antigos. Por isso, os sites precisam conter as mensagens “call to action”, que consistem, em geral, em verbos no imperativo orientando os usuários a entrarem em contato com a empresa, realizarem uma compra, conhecerem mais informações sobre um produto, assinarem uma newsletter, entre outros.

A falta desse tipo de mensagem desestimula o usuário, o que tende a prejudicar a empresa na hora de atingir as metas preestabelecidas.

Falta de adaptação ao mobile

O desktop segue sendo um formato forte nos acessos à internet, principalmente em ambiente de trabalho. Contudo, em casa ou nos trajetos cotidianos, os dispositivos móveis estão ganhando cada vez mais importância, inclusive na hora de fazer compras ou pesquisar produtos/serviços. Assim, é essencial que os sites das empresas estejam também disponíveis nessas plataformas, com fácil navegabilidade, legibilidade e boa velocidade de carregamento. Uma dica é o uso do HTML simples para que as páginas carreguem com rapidez.

Como é possível perceber, criar e manter um site não são tarefas impossíveis, mas requerem  muita dedicação, pesquisa, tempo e profissionais qualificados. Porém, esse esforço todo é válido quando é convertido em bons resultados para as corporações.