O uso das redes sociais como um instrumento de comunicação que beneficia o desenvolvimento e a divulgação das marcas não é nenhuma novidade. Seja no Twitter, no Facebook, no Instagram ou em qualquer outra, é preciso inovar e pensar em meios criativos para atrair a atenção do público.

Elaborar um cronograma com pautas interessantes e ser criativo são itens importantes. No entanto, tão importante quanto a criatividade é acompanhar o desempenho das campanhas, de modo que seja possível identificar quais posts tiveram um desempenho melhor e quais assuntos não foram tão legais. Esse monitoramento constante é a chave para uma administração eficiente de social media.

Nesse monitoramento, há diversas métricas que devem ser acompanhadas. Entre elas, encontra-se o alcance.

O que é alcance?

O alcance das publicações é uma métrica que se refere à quantidade total de pessoas que as visualizaram. Já quando se fala em alcance total, essa métrica contempla todos os usuários que já viram algum tipo de conteúdo da página, seja uma curtida de um amigo, uma citação, um check in, publicações, comentários, entre outros.

Alcance x Engajamento

Embora o alcance seja uma métrica importantíssima no monitoramento de campanhas em redes sociais, ele significa apenas que as pessoas visualizaram aquele conteúdo. Isso não quer dizer que elas gostaram, ou que promoveram algum tipo de interação com a publicação, como curtidas, comentários ou compartilhamentos. Essa interatividade é medida por outra métrica: o engajamento.

Tipos de alcance

O alcance de uma publicação pode ocorrer de duas formas: orgânica e paga.

O alcance orgânico é composto pelas pessoas que tiveram a publicação exibida em seu feed de forma natural, ou seja, em distribuições que não foram pagas.

O alcance pago, por sua vez, consiste na quantidade de usuários que foram impactados exclusivamente pelos posts patrocinados, ou seja, pelos anúncios pagos.

Tendências de alcance no Facebook

Muitas pessoas têm comentado o fato de que o alcance orgânico no Facebook têm diminuído. Essa informação é verídica. O Facebook contém um algoritmo que define quais conteúdos aparecem no feed de cada usuário, com base em seu histórico de interesses, de modo que sejam selecionadas as publicações mais relevantes.

O problema é que, todos os dias, surgem mais e mais páginas, repletas de publicações, o que estabelece uma competitividade muito grande na rede. Isso torna mais difícil que as marcas consigam obter um alcance maior, já que a concorrência não para de crescer.

É claro que esse não é o fim do alcance orgânico. Mesmo que os anúncios pagos estejam em crescimento, qualquer marca pode (e deve) continuar apostando nas publicações de alcance orgânico, afinal de contas, com um público-alvo bem definido e com temáticas relevantes, é possível alcançar o feed das pessoas também sem impulsionamento, segundo o próprio Facebook.