Aos primeiros sintomas, já se tornou comum que as pessoas corram para o Google para pesquisa-los e possivelmente identificar quais são os problemas de saúde que estão enfrentando. Além disso, o site de buscas também é um importante canal para pesquisar referências de médicos, hospitais ou clínicas que possam ajudar nesse momento.

É nítido, portanto, perceber que as pessoas estão mais preocupadas com a saúde e utilizando a internet a seu favor na hora de consultar um médico. Esse cenário torna o meio digital uma grande oportunidade para que os profissionais da saúde atraiam mais clientes.

Por que investir no Marketing Médico?

As recomendações por boca a boca e os catálogos dos planos de saúde ainda são meios muito utilizados para obter mais consultas. No entanto, o marketing digital para médicos é extremamente vantajoso, não só para atrair mais pacientes, mas também para ajudar as pessoas de maneira geral.

A internet permite que os profissionais da saúde publiquem conteúdo relevante que ajude as pessoas a levarem uma vida mais saudável e para que saibam o que fazer quando os problemas de saúde surgirem. Além disso, esse meio permite que os médicos se relacionem de uma forma mais direta e humana com seus públicos. Esses dois princípios fazem com que o profissional se torne uma autoridade no assunto (em sua especialidade), o que lhe confere um destaque cada vez maior na web.

Como pôr o Marketing Médico em prática?

Como em qualquer outro tipo de campanha, o primeiro passo para que as ações de marketing médico sejam bem sucedidas é estabelecer objetivos. Atrair mais clientes, fidelizar os clientes antigos, se tornar referência em determinado assunto/especialidade ou conscientizar as pessoas sobre alguma doença ou meios de tratá-la/preveni-la são algumas possibilidades.

Para atingir os objetivos determinados, é preciso escolher as melhores estratégias, tanto no meio digital quanto fora dele. Essa fase é crítica, já que são infinitas as possibilidades, mas algumas são mais indicadas do que outras. Para tomar esse tipo de decisão, é essencial que os profissionais da saúde busquem auxílio de profissionais do marketing. Essa ajuda especializada, além de permitir que o médico não se atrapalhe em suas funções, possibilita a tomada de decisões mais assertivas.

Finalmente, depois que todas as ações foram implementadas, é preciso monitorar se cada uma delas está atingindo os objetivos ou se será preciso realizar ajustes. Isso é essencial para que as campanhas sejam mais impactantes.

Dicas de estratégias digitais para Marketing Médico

Como citado anteriormente, são muitas as possibilidades que o meio digital oferece para otimizar a performance online dos profissionais da saúde. Confira algumas:

Marketing de conteúdo: Esse tipo de comunicação é menos invasivo do que a publicidade tradicional e oferece um ROI bem interessante. Essa estratégia leva em consideração o público-alvo e, para atraí-lo, investe na publicação de informações úteis e relevantes. No caso do marketing médico, costumam ser dicas de tratamento e prevenção de problemas específicos, por exemplo.

E-mail marketing: para quem já demonstrou um interesse na área de atuação do médico, o e-mail marketing ou as newsletters são excelentes meios de fidelizar essas pessoas por meio da divulgação de novidades da área, promoções especiais, entre outros. Essa estratégia permite uma maior personalização do conteúdo.

Criação de sites: Os sites são os principais canais de comunicação na internet. Os médicos ou as clínicas devem investir na criação de um site que seja informativo, claro, de fácil navegabilidade e adaptado também para os dispositivos móveis – cada vez mais utilizados. As páginas devem sempre estimular a conversão.

Identidade visual: Em todas as peças de comunicação utilizadas, online ou off-line, é essencial que haja uma unidade visual; uma identidade que faça com que o público reconheça rapidamente a clínica ou o profissional.

Como as redes sociais podem ajudar no marketing médico?

As redes sociais são plataformas extremamente utilizadas pelas pessoas, basicamente a qualquer hora e lugar. Então, por que não utilizá-las como um canal de comunicação para os profissionais da área da saúde? Elas podem compor as campanhas de marketing digital. Contudo, em se tratando da área da saúde, algumas práticas não são permitidas. Saiba mais:

Facebook: Nesta rede, não é recomendável que o médico utilize seu perfil pessoal para fins profissionais. A dica é criar uma fanpage, que oferece muito mais recursos. É possível compartilhar conteúdos relevantes e segmentar bem o público-alvo, com o objetivo de atrair leads qualificados.

Twitter: Agora com limite de 280 caracteres, essa rede é marcada pelo dinamismo e pelos conteúdos mais curtos, que permitem a publicação de imagens e links externos. Notícias sobre saúde, dicas de prevenção de doenças e links de sites úteis da área são algumas sugestões de uso dessa rede.

Instagram: O Instagram é uma das redes que mais crescem em quantidade de usuários. Ele é caracterizado por seu tom menos formal, com postagens de vídeos e imagens. É uma oportunidade ótima para que os médicos “humanizem” sua imagem e criem um relacionamento mais íntimo com o público. Também vale a pena postar imagens e vídeos curtos sobre a especialidade médica em que o profissional atua.

LinkedIn: é a rede social mais profissional, que permite que os médicos conversem tanto com pacientes quanto com colegas e façam um networking para promover os negócios pessoais ou clínicas. Para mostrar a autoridade na especialidade, a publicação de artigos demonstra o conhecimento do profissional.

Whatsapp: Não se trata de uma rede social, mas é um canal de comunicação extremamente utilizado. A ética médica não permite que sejam realizada consultas à distância, mas o Whatsapp pode ser útil para tirar dúvidas, enviar resultados de exames, entre outros.

Redes sociais para médicos: Há, ainda, algumas redes sociais específicas, como iMeds e o Ology, para profissionais da saúde e estudantes de medicina, que auxiliam bastante no relacionamento entre os profissionais e seus pacientes.

O que não se pode fazer?

O marketing médico é regulado pelo CFM – Conselho Federal de Medicina, que estabelece, dentro da ética médica, aquilo que é aceitável e aquilo que é proibido, com o objetivo de proteger os pacientes e os próprios profissionais da saúde. Confira os principais erros a serem evitados:

Especialidades que o profissional não possui: Os profissionais especializados nas áreas e funções reconhecidas pelo CFM devem anunciar exclusivamente a formação que possuem. Não podem divulgar ou dar a entender que tratam determinadas condições que não estejam relacionadas às especializações em que atuam.

Propaganda Enganosa: Isso não se deve fazer em nenhuma área, mas na medicina as consequências são mais graves, pois se trata da saúde das pessoas. Prometer resultados ou curas inalcançáveis com determinados produtos ou serviços é uma prática a ser evitada.

Anunciar tecnologia superior como diferencial competitivo: As clínicas e hospitais investem cada vez mais nos melhores e mais modernos equipamentos tecnológicos para diagnosticar e tratar os pacientes. No entanto, anunciar diretamente esses investimentos como diferencial competitivo é proibido pelo CFM. A saída pode ser publicar conteúdos que destaquem a importância desses aparelhos.

Fotos de pacientes: As imagens de “antes e depois” de pacientes parecem ser um bom meio de promover um profissional, mas essa prática também é proibida pelo CFM, mesmo com autorização dos pacientes, para evitar sua exposição.

Alarmar a sociedade com determinadas informações: Divulgar a possibilidade de uma epidemia grave, por exemplo, pode deixar a população em choque. Por isso, com comprovação científica, os profissionais da saúde devem comunicar suas descobertas alarmantes primeiramente às autoridades, antes que esse conteúdo seja divulgado à população em geral.

Consultas à distância: Em nenhum dos canais citados neste artigo, é permitido que o médico consulte, diagnostique ou prescreva tratamentos à distância. Esses canais servem apenas para atrair pacientes para uma consulta pessoal em ambiente adequado, onde possam ser realizados os exames e tratamentos necessários.

Como é possível perceber, o marketing médico possui diversas possibilidades de canais e conteúdos para manter a sociedade bem informada, atrair novos clientes ou promover a fidelização dos antigos. No entanto, é preciso seguir as condutas éticas estabelecidas pelo Conselho Federal de Medicina para garantir que nenhum paciente ou médico seja prejudicado por práticas indevidas.