Qualquer site ao ser lançado deseja obter as melhores posições nas páginas de busca do Google ou de outros mecanismos semelhantes. Por este motivo, o SEO (Search Engine Optimization) tem ganhado tanta força. Essa estratégia é, na verdade, uma série de medidas que tornam os sites mais atraentes aos algoritmos empregados pelos mecanismos de busca para avaliá-los e ranqueá-los. Por isso, confira algumas das principais tendências em SEO para este ano recém-iniciado

Busca semântica

Quando uma pessoa realiza uma busca num site como o Google, ela vai utilizar determinadas palavras-chave. Os resultados de sua busca, porém, trarão essas palavras em um determinado contexto, que pode ser mais ou menos relevante àquilo que o usuário deseja encontrar. Esse aspecto é conhecido como “busca semântica” e tem o objetivo de otimizar não só as palavras-chave mais relevantes, como também o contexto em que estarão inseridas.

Para que esse contexto esteja relevante, é preciso conhecer bem as intenções do usuário ao digitar aquela palavra. Por exemplo, ao digitar o termo “Psicologia”, o usuário pode estar pesquisando um curso para estudar na faculdade. Ao digitar “psicólogo”, porém, é mais provável que o usuário esteja procurando por esse tipo de profissional.

Tendo essa sensibilidade para entender exatamente o que o usuário deseja encontrar, fica mais fácil produzir textos claros, objetivos e relevantes, que obterão, portanto, melhores posições orgânicas nos mecanismos de buscas.

Atenção aos dispositivos móveis

Boa parte das buscas atualmente realizadas nos sites de pesquisa já vêm de dispositivos móveis e, como esses aparelhos têm se tornado cada vez mais populares, é importante levá-los em consideração nas estratégias de SEO. Por mais que um site tenha ótimas posições orgânicas em desktop, pode ser que, no mobile, ele apresente um desempenho mais fraco, pois o site não está otimizado para esses aparelhos. Isso significa que muitos clientes em potencial poderão deixar de ser impactados.

Dessa forma, é essencial que os sites estejam bem visíveis e com fácil navegabilidade no mobile. Além disso, otimize textos, imagens e outros elementos que possam deixar as páginas “pesadas”, pois isso aumenta a velocidade de carregamento do site, o que pode levar à desistência do usuário. Por fim, crie uma estrutura responsiva (adequada para qualquer aparelho do tipo) e invista nas certificações de segurança, que comunicam ao usuário que qualquer informação que ele compartilhe no site está totalmente segura. Com essas medidas, o site também terá melhor ranqueamento no mobile.

RankBrain

O RankBrain é o algoritmo de machine learning do Google. Ele é um tipo de inteligência artificial que ajuda a ranquear os resultados de pesquisas e, quando se depara com um termo que desconhece, procura analisar o contexto para adivinhar termos semelhantes.

Dessa forma, esse sistema otimiza as buscas e “aprende” novos padrões de consulta, procurando ser mais eficaz ao divulgar resultados relevantes aos usuários. Com o passar do tempo, quanto mais essa ferramenta for utilizada, mais ela aprenderá consigo mesma a refinar os resultados de busca, levando em consideração o comportamento do usuário. Dessa forma, mais uma vez, o contexto aparece como fator decisivo: é preciso inserir as palavras-chave em textos relevantes, explorando também sinônimos que ajudem a inteligência artificial a entender as necessidades do usuário.

Dica extra: outra tendência que parece estar ganhando força no Google é a pesquisa por voz. Cerca de 20% das buscas já são realizadas desta maneira. Há expectativas para que o Google também inclua dados sobre esse tipo de pesquisa no Google Analytics. Isso representa mais informações valiosas para orientar os profissionais da área na otimização de campanhas.